Candidato à reeleição, o vereador Marcos Papa (Cidadania) esteve na sede do Sebrae em Ribeirão Preto, na última terça-feira, dia 20 de outubro, onde assinou uma Carta de Compromisso de “Vereador Empreendedor”. Papa foi recebido pelo gerente do Sebrae, Carlos Alberto de Freitas, e pela analista de Negócios Marisa Caldana.

“Foi um dia muito especial porque assinei a Carta de Compromisso de Vereador Empreendedor. Isso muito me honra! Renovei também o compromisso de seguir tensionando a Prefeitura para que crie uma Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação. Uma opção é a realização de uma reforma administrativa para que ocorra a aglutinação de pastas que tenham essa função empreendedora”, ressaltou Marcos Papa, que atualmente preside a Comissão Permanente de Desenvolvimento Econômico da Câmara de Ribeirão Preto.

Papa tem importante vínculo com o Sebrae. Há 10 anos, Papa liderou a implantação do MEI (Micro Empreendedor Individual) em parceria com o Sebrae, ACI, Sincovarp e Casa do Contabilista. Durante a visita, essa semana, Papa foi informado que, atualmente, Ribeirão Preto conta com 104 mil empresas, sendo 47 mil MEIs.

“Houve um processo de formalização acentuado de muitos profissionais, como, promotores de vendas, boleiras, churrasqueiros. Era uma necessidade para inseri-los no mercado, mas também é preciso vigilância, por parte do Ministério Público do Trabalho, com relação a pejotização”, enfatizou Papa, emendando que “o Congresso Nacional precisa se debruçar para modernizar a legislação trabalhista. Não podemos continuar estagnados em uma Legislação da época da Getúlio Vargas”.

O gerente do Sebrae enfatizou que “o vereador Marcos Papa é um parceiro do escritório do Sebrae de longa data e já vem militando em favor das micro e pequenas empresas”. “Foi uma surpresa bastante positiva saber que ele preside atualmente a Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara de Ribeirão e que pode se aproximar ainda mais das demandas das micro e pequenas empresas”, destacou.  

Para Freitas, o MEI nasceu não para pejotizar o trabalho, mas, sim, para trazer para a formalidade os empreendedores que sentiam dificuldade em atender a uma legislação complexa, como a brasileira. “O MEI possibilitou que esses 47 mil empreendedores de Ribeirão Preto, que estavam à margem do mercado, fossem reconhecidos e passassem a trabalhar de forma mais digna e legal”, frisou o gerente.

Deixe o seu Comentário

comentários