O vereador Marcos Papa (Rede) usou a tribuna da Câmara, na sessão da última quinta-feira (5), para denunciar, mais uma vez, o descaso com que os motoristas de ônibus estão sendo tratados pelo Consórcio PróUrbano e pela Transerp. Até sangue foi fotografado no banheiro que é utilizado pelos motoristas no Terminal Dra. Evangelina Passig.

Fotos apresentadas no painel da Câmara mostram a imundice que foi descrita pelo vereador em um discurso indignado. “Denunciar, estamos denunciando, mostrar, estamos mostrando. O que mais falta fazer? É esse o tipo de comprometimento que o chefe do Executivo tem com os motoristas de ônibus e com os usuários do transporte coletivo de Ribeirão? É o prefeito que tem a caneta, que pode virar para o superintendente da Transerp e dizer: eu nunca mais quero ver isso aqui”, enfatizou o vereador.

Marcos Papa ainda acrescentou: “Porque que o prefeito não fala isso? Qual é o rabo preso? O que está pegando para o PróUrbano fazer o que bem entende em Ribeirão Preto? O que está ruim nessa relação? Para o povo tudo ruim sempre! Eu repito aqui: esse contrato foi celebrado por uma organização criminosa, que está afastada e condenada, graças em grande parte às investigações do nosso mandato. Isso não tem que ser revisto? Tem que ficar essa passividade, essa complacência com o erro?”.

Em setembro, Papa usou a tribuna da Câmara para denunciar pela primeira vez o descaso com os motoristas. Na época, um vídeo e fotos do banheiro imundo e do refeitório infestado de baratas foram amplamente divulgados pela imprensa. Acionado por Papa, o Ministério Público Estadual encaminhou a denúncia para o Ministério Público do Trabalho, que deve investigar as condições de trabalho de funcionários do Consórcio PróUrbano.

Denúncia feita na tribuna da Câmara

A Câmara aprovou, no último dia 26, requerimento de Papa solicitando aumento das multas ao Consórcio sempre que descumprir cláusulas do decreto que regulamenta o transporte público. “O PróUrbano continua a tratar os motoristas desse jeito. A Transerp não faz nada, quando faz aplica uma multa de R$ 150. Não por outro motivo estamos indicando o aumento dessa multa. R$ 150, R$ 160 é um incentivo à delinquência. Não haveria ocorrido nem a primeira denúncia se a Transerp fiscalizasse o sistema. Aí vem a Transerp e diz que o PróUrbano dá calote na taxa que financiaria a fiscalização”, frisou.

O vereador, que presidiu a CPI do Transerp na Câmara e relatou outra, emendou: “Aí o PróUrbano vem aqui na CPI e confessa que mentiu para a Justiça, que induziu a Justiça a erro. E cadê a Justiça para por essa gente na cadeira? Cadê o chefe do Executivo para falar: aqui também tem chefe de Poder. Não é só o Poder Judiciário que manda em Ribeirão Preto. Tem ou não tem um chefe do Poder Executivo para tomar providências e demitir o responsável que não toma providência dessa vergonha?”.

Papa lamentou a omissão do Sindicato dos Motoristas com o descaso com que a categoria está sendo tratada pela Transerp e pelo PróUrbano. “Amanhã o Sindicato da categoria fará alguma publicação para dizer que estão cobrando providências, mas não abriram o pico até que fizéssemos a nossa denúncia”, criticou.

O vereador voltou a cobrar providências. “Os motoristas estão expostos a essa situação desumana de ter um banheiro sujo, contaminado com sangue. Clamo dessa tribuna mais uma vez: que os motoristas de ônibus da nossa cidade sejam tratados como seres humanos, em respeito aos usuários, em respeito a nossa cidade. Ribeirão Preto é uma cidade bilionária não pode ter um sistema de transporte ruim como tem. Uma cidade com um bom transporte coletivo tem menos trânsito, menos acidentes, menos mortes, menos poluição, mais qualidade de vida”, concluiu.

Deixe o seu Comentário

comentários