O vereador Marcos Papa (Cidadania) quer que a Prefeitura detalhe o que promoveu efetivamente para proteção dos animais de rua, desde 2017, quando teve início o atual governo, em especial, nas ações que atingem acumuladores, que se colocam na posição de protetores muitas vezes colocando em risco a segurança sanitária da comunidade e a segurança e o bem-estar de cada animal em situação de risco e abandono.

O questionamento consta em um requerimento que foi aprovado, na sessão da Câmara desta terça-feira, dia 15 de junho. Endereçado ao prefeito Duarte Nogueira, o requerimento tem como base o resgate de 80 filhotes de cães em situação de maus-tratos de uma residência no Jardim Califórnia, zona Sul de Ribeirão Preto. Outros 120 cachorros ainda continuam no imóvel.

No documento, Papa quer que a Administração esclareça se há uma coordenação de trabalhos entre a Secretaria de Meio Ambiente, a Vigilância Sanitária, a Semas (Secretaria Municipal de Assistência Social) e a CBEA (Coordenadoria de Bem-Estar Animal), e quais os efeitos concretos produziu para efetivar os direitos dos animais.

Papa, que presidiu a CPI da Eutanásia na Câmara, também questiona quais medidas a Prefeitura promoveu, desde então, para devida identificação dos protetores de animais sérios, que visam realmente trazer a dignidade mínima aos animais. “Quais medidas foram adotadas para incentivar e auxiliar os protetores que promovem exatamente a política pública que não é desenvolvida pelo Executivo?”, pergunta.

Papa acrescentou: “A Coordenadoria de Bem-Estar Animal se comprometeu a enviar uma equipe até o local para avaliar os animais e oferecer castração, além de tratamento para os que estiverem debilitados, mas não se prontificou a efetivar a devida retirada dos cães do imóvel, o que é lamentável. Não é a castração que irá adequá-los a uma realidade minimamente adequada do ponto de vista de segurança sanitária para a comunidade e de bem-estar para cada animal. É dever da Administração pública, sob pena de improbidade, dar efetivação aos regramentos existentes, inclusive, aos direitos mínimos a que todos os animais devem ser submetidos.

Por fim, o vereador indaga quais medidas a Prefeitura vem adotando para identificar situações semelhantes de acumuladores que se consideram protetores e aprisionam grande quantidade de animais, que acabam vítimas de maus-tratos. Papa cobra, inclusive, o envio de todos os protocolos de denúncias e pedidos recebidos pela Prefeitura via SAM/156, GCM, Fiscalização Geral, CBEA e Secretaria de Meio Ambiente.

Em setembro do ano passado, acionado por protetoras, Papa denunciou o caso de um acumulador que mantinha vários cães em situação de maus-tratos no Jardim Procópio. Na época, cobrou providências da Prefeitura com base na Política Municipal de Atenção às Pessoas em Situação de Acumulação, que conta com um Comitê Intersetorial.

Leia também:

Papa denuncia maus-tratos a animais e cobra diligência

Por saúde pública e vida de animais, Prefeitura terá que acionar a Justiça

 

Deixe o seu Comentário

comentários