Diante de inúmeros questionamentos sobre a vacinação contra Covid-19 em Ribeirão Preto e a atuação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o vereador Marcos Papa (Cidadania) solicitou uma reunião com técnicos do setor para entender o motivo da falta de doses no município, a importância do agendamento e a situação dos profissionais autônomos da Saúde que ainda não conseguiram ser vacinados.

O encontro foi realizado na segunda-feira, dia 1° de março. Na ocasião, Papa foi representado pelo psicólogo social Dario Henrique Teófilo Schezzi, responsável técnico pela área da Saúde no mandato parlamentar. As perguntas do vereador, do assessor técnico e dos munícipes, que acionaram o mandato nas últimas semanas, foram respondidos pela chefe de gabinete da SMS, Jane Aparecida Cristina, e pela diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Luzia Márcia Romanholi Passos.

Leia:

Vereador Marcos Papa: Qual a quantidade total de doses de vacina que a SMS encomendou junto à Secretaria Estadual de Saúde? Quantas doses já chegaram ao Município?

SMS: O fluxo do SUS em relação às campanhas de vacina é organizado em torno de grades de distribuição, que seguem vários parâmetros. A vacina para Covid segue os parâmetros da vacinação contra a Influenza. A primeira grade que o Município recebeu e foi o que foi colocado no primeiro Plano de Vacinação de 2020, obedeceu o número de doses pela população, e para profissionais de Saúde obedeceu o número de doses contra a Influenza. O Estado de São Paulo utiliza parâmetros populacionais e também o número de doses de Influenza aplicados em 2020. Em relação à quantidade de doses de profissionais de Saúde, o Município, inclusive, reiterou o número de doses para Covid-19, pois tinha recebido um número de doses bem abaixo do que foi aplicado para Influenza ano passado.

Papa: A falta de realização do censo do IBGE, no ano passado, prejudicou o cálculo dessa grade?

SMS: As bases populacionais que o SUS trabalha no Estado são: IBGE e Fundação SEADE. Quando se trabalhou com a vacina de Influenza, que foi usada como base para atual vacinação da Covid-19, não houve essa estratificação por idade que ocorre agora – 90 e mais, 85 à 89, 77 à 79… Se você consultar o site do IBGE ou da Fundação SEADE, verá que as estratificações são consideradas a partir dos 80 anos. O Estado ainda forneceu à SMS uma base própria estimada, baseada em dados populacionais. A faixa etária mais extrema para vacinação sempre foi 80 e mais, mas agora é diferente. Para Covid, foi necessário de se considerar pessoas com mais de 90 anos, pessoas com mais de 85 anos. Houve a necessidade de maior estratificação. Em Ribeirão Preto o que favoreceu o trabalho foi o registro Hygia. A cidade, a partir do Hygia, fez duas estimativas, que possibilitaram um excelente planejamento. Primeiro: os prontuários com cinco anos que compareceram pelo menos uma vez nos sistemas de Saúde e depois restringiram por dois anos e mais. Segundo: o planejamento da SMS ficou muito próximo ao planejamento do Estado. O número de doses que chegou no Município vem sendo apresentado nas coletivas que o secretário tem realizado. Na sexta-feira passada (26/02) foi realizada uma apresentação do secretário com todos os dados: o Município já recebeu 60.666 doses de vacinas contra o novo Coronavírus, das quais 43.094 já foram aplicadas tanto para primeira quanto para segunda etapa.

Papa: Considerando que, no momento, há um cadastro para a população com idades definidas, por exemplo, de 80 a 85 anos, de 75 a 77, temos recebido muitos pedidos de informação sobre como será a vacinação da população em geral e como será o cadastro. Quais seriam os canais oficiais da Prefeitura para as pessoas não perderem a oportunidade de se cadastrarem assim que chegar um novo lote das vacinas?

SMS: A SMS não sabe também. Primeiro temos que diferenciar cadastro e agendamento. Cadastro é o que o Estado pediu para o site VACINA JÁ: https://www.vacinaja.sp.gov.br. Lá todos podem se cadastrar. O governo abriu esse cadastro porque quando chegar a sua vez e chegar a vacina, a enfermeira da vacinação digita o seu CPF e já pega todos os seus dados, e isso agiliza a vacinação, pois o sistema busca o cadastro. Ribeirão Preto não abriu cadastro, mas, sim, agendamento. A medida em que o Estado passa a grade de vacinas (novas doses que chegarão), abre-se agendamento para as pessoas marcarem dia e hora para tomarem a vacina. É importante diferenciar cadastro de agendamento. O agendamento é uma base em que a pessoa escolhe dia, hora e local para tomar a vacina a medida em que as doses são liberadas na grade do Estado para a idade.

Papa: Porque não é feito um agendamento agora desde os 65 anos para o pessoal ter informações?

SMS: Porque a gente não pode. Abaixo da idade mínima atual nós não temos nenhuma informação. Não tem doses. A Prefeitura não sabe quanto e como virão as futuras doses. E o planejamento está sendo feito aos poucos devido à falta de vacinas. Toda semana a SMS faz o planejamento. Em dezembro, o Estado pediu para todos fazerem um Plano de Vacinação, e a SMS fez. Segundo esse cronograma, até março cobriria toda a população de maiores de 60 anos e todos ficaram felizes. O que aconteceu? Um tempo depois a primeira fala do governador e do secretário Estadual de Saúde foi: esqueçam aquele cronograma! Porque? Estamos falando em milhões de doses para o Brasil e não apenas para o Estado de São Paulo. Então foi dito: esqueçam o cronograma, faremos as doses de São Paulo a medida em que tivermos na mão nossas doses de vacina. Queremos vacinar e temos capacidade para vacinar rapidamente, só não temos vacina.

Papa: E não tem como colocar no site do agendamento essa informação? Pois os dados é cheque toda a semana, e as pessoas ficam em dúvida.

SMS: Essa é uma questão que procuramos melhorar. Estamos preparando no site da Saúde uns banners de orientação. Hoje (na semana da reunião) está tendo uma corrida nas salas todas para 90 e mais. O doutor Sandro comentou na coletiva que 90 e mais ainda iríamos agendar e foi falado anteriormente. E hoje foram muitas pessoas que estiveram lá há 21 dias.

Papa: Oriento as pessoas enviando o link do agendamento e peço que acessem toda a semana. Reforço: que é aqui que você tem que olhar!

SMS: Sim, continue com essa orientação, por favor. Vamos aprimorar o site para dúvidas recorrentes. Muitas vezes falamos com veículos de comunicação e temos que lutar muito contra fakenews. As vezes um grupo interpreta uma informação de uma forma diferente e espalha. Temos que lutar muito contra isso.

Papa: Outra informação que me chegou neste final de semana, é que uma colega estava tentando agendar para o pai e não aparecia agenda disponível. Depois ela conseguiu porque aumentaram um dia. Ela me mandou o print em que aparecia até a unidade para vacinar.

SMS: Quando a gente abre a agenda, a gente tem que ter o número de doses. A população pode escolher dia, hora e local. Por que a gente não abre a agenda inteira? Se a gente recebe 5.000 doses, não abrimos 5.000 vagas. Trabalhamos com uma vacina que tem uma enfrascagem de doses e temos que trabalhar com muito cuidado. Trabalhamos com doses que possam ser garantidamente aplicadas naquele dia para evitar perdas. Temos que ir trabalhando aos poucos. Aconteceu com 90 e mais, teve dias em que tivemos 400 agendados, no outro 1.000 e tanto.. Estamos abrindo agora menos dias para que a população ocupe aquelas vagas e tendo vagas/doses abrem-se novos agendamentos. E foi muito melhor, pois lotamos segunda, terça e quarta, e após isso abrimos para quinta-feira. Recebemos 100% das doses para 90 e mais. Para 85 a 89 recebemos quase todos; 80 e 84 ainda não recebemos todas as que solicitamos, mas talvez não seja preciso, pois essa estimativa da população está sendo mediante o que fizemos da vacina de gripe.

Papa: Então quando você diz que estão aguardando 100% das doses que precisam não é que vocês tiveram que fazer a solicitação, pois o Estado já sabe o cálculo de doses que tem que mandar?

SMS: Sim, já sabe. É o Estado que manda a grade. E quando fomos vacinar os trabalhadores da Saúde, nós recebemos uma quantidade de doses menor e a gente já mandou e-mails cobrando as outras doses.

Papa: Fala-se que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, confiscou doses. Não temos que entrar nesse mérito?

SMS: Não.

Papa: Uma dúvida importante: se acabam as doses, a população pode ficar tranquila e aguardar, porque mesmo naquela faixa etária, futuramente serão abertas mais vagas?

SMS: Sim, desde que a gente tenha essas doses, porque o Estado não está mandando para nós 100% das doses que a gente precisa. Se a pessoa faz parte da área do Castelo Branco e o Castelo Branco encheu, ela pode procurar uma outra unidade. Não precisa se restringir a unidade próxima, pode ir onde tem vaga.

Papa: Com relação a vacinação dos trabalhadores autônomos da Saúde, tivemos problemas com longas filas.

SMS: Não tem mais. Não teve mais. Teve naquele primeiro momento porque a gente não estava com agendamento ainda. Depois com o agendamento, conseguimos organizar por horário e fluiu super bem.

Papa: Chegando um novo lote de vacinas para profissionais autônomos, caberia uma priorização? Por exemplo, vacinar trabalhadores mais velhos ou pessoas que atendem pessoas com comorbidades?

SMS: Olha, tivemos várias experiências. O Rio de Janeiro decidiu vacinar trabalhadores autônomos com mais de 65 anos. O que o Rio de Janeiro fez? Vacinou apenas trabalhadores de Saúde aposentados e descobriram aqueles que estavam na ativa. Deixaram de fora dentistas que estavam atendendo. Veja, já puseram a mão na cabeça e falaram: não é bem assim. E outros municípios também fizeram isso. Outros municípios fizeram por ordem alfabética.

Papa: Tem alguma perspectiva de pedir para que as pessoas comprovem a atuação? Conheço psicólogas que só atendem online, que tomaram vacina e postaram foto no Instagram.

SMS: É, naquele momento em que nós oferecemos as 4.200 doses, falamos na imprensa que eram para as pessoas que estavam em atendimento direto. Eram dentistas que estão atuando com a boca aberta. Eles estão de máscara, mas os pacientes não estão! Tem gotícula que é meio de transmissão. Se a gente pudesse priorizar, aliás, nós priorizamos: os hospitais, os pronto-atendimentos, as equipes de Resgate. Tudo isso nós fizemos. Quando chegou na comunidade, o que vimos? Tivemos problemas nas filas. Fomos tirar das filas os profissionais de Saúde aposentados, com mais de 60 anos que estavam naquele sol do primeiro dia. Os próprios trabalhadores de Saúde disseram para nós: não aceito! Tenho paciente agendado no meu consultório e você está passando aposentado na frente? Deixa ele na fila! Se não está atendendo não tem que priorizar, não tem que priorizar pela idade, tem que fazer valer a lei.

Papa: Nós recebemos um questionamento de uma musicoterapeuta, que atua com pessoas com deficiência. Encaminhei o e-mail dela à Secretaria de Saúde para solicitar informações.

SMS: Estamos com não sei quantos dentistas, médicos, endoscopistas, que também estão nos cobrando. Assim, naquele momento, a gente abriu para médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, todos os que atendem pacientes, e deixamos de lado veterinários e educadores físicos. Se você pegar o manual do Ministério verá que são profissionais de Saúde, mas, naquele momento, tínhamos apenas 4.200 doses. Fizemos um estudo por categoria e vimos que aquelas doses não eram suficientes para cobrir nenhuma categoria sozinha. Recebemos muitas críticas e ameaças. Agora como faremos? Já solicitamos, inclusive, que cheguem mais doses.

Papa: E chegando novas doses para trabalhadores da Saúde, como vocês farão? Abrirão agendamento?

SMS: Da mesma maneira como fizemos agora.

Papa: E contemplarão quais trabalhadores? Musicoterapeutas, educadores físicos, médicos veterinários ou não?

SMS: Vamos contemplar o que está descrito como trabalhador de Saúde nas diretrizes do Ministério de Saúde. Vamos seguir a normatização.

Papa: E sobre a questão de solicitar comprovante de atuação na área da Saúde adicionalmente à carteira profissional, como forma de evitar o ocorrido na última vacinação dessa população quando profissionais da área da Saúde, que não estão atuando em atendimentos em saúde, foram vacinados?

SMS: A gente pediu. Quem trabalhava em laboratório levou holerite. Tivemos invasão de outros municípios. Tivemos pessoas que entraram no agendamento e agendaram a segunda dose em nosso agendamento, nós dispensamos.

 

 

Na data de publicação dessa matéria (13/03/2021), o site da Prefeitura estava com agendamento para população acima de 75 anos. A orientação é consultar sempre o site oficial e checar para qual idade está aberto o agendamento. 

https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/agendamento-vacinacao-covid/

Ou clique aqui: Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto 

Deixe o seu Comentário

comentários