Presidida pelo vereador Marcos Papa (Rede), a CEE (Comissão Especial de Estudos) da Câmara, que acompanha o abandono do prédio permutado para ser a nova sede do MIS (Museu da Imagem e do Som), cujo acervo segue encaixotado, realizará novas oitivas nesta quinta-feira (24), às 15h, na Sala das Comissões.

Foram convidados: o jornalista Lúcio Mendes; o representante da Sociedade Civil Patrimônio Cultural no Conselho Municipal da Cultura, Renato Vital dos Santos Pinho (Tomate); o promotor de Justiça Ramon Lopes Neto; o presidente do Conselho Municipal de Cultura, Vinícius Macias de Barros; e o presidente do Conppac (Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural de Ribeirão Preto), Anderson Polvorel.

A comissão ouviu historiadores e profissionais de Cultura, que fazem coro para defender que o antigo Lar Santana seja a nova sede do MIS e também do Arquivo Público. Já a secretária de Cultura, Isabella Pessotti, em depoimento à CEE, afirmou que a administração estuda instalar o Arquivo Público no prédio da avenida Francisco Junqueira, que foi permutado em 2016 para ser a nova sede do MIS. Pelos estudos, o Museu poderá ocupar o Palácio Rio Branco com a mudança do gabinete do prefeito.

Marcos Papa defende que o acervo seja desencaixotado e o MIS aberto ao público. “O MIS tem um acervo importante, que está se deteriorando. A atual gestão não levou adiante a mudança para a nova sede e é minha prerrogativa, como vereador, saber daqui para frente o que será feito tanto para que o prédio do município não continue se degradando como para que esse acervo riquíssimo seja preservado e fique à disposição do público”, enfatizou.

Deixe o seu Comentário

comentários